WHEY PROTEIN

 

👉 Há anos sugerimos aos nossos clientes substituir o leite pela proteína do soro do leite(whey protein). Vários estudos detectaram resíduos de antibióticos e hormônios no leite vendido nas prateleiras dos supermercados. 
🏆 Esse alimento supera todos os outros tipos de proteína a nível de absorção e pH. 
👍 O Valor biológico(VB) é a escala de graduação usada para determinar se, determinada fonte nutricional, é usada por um organismo com determinada eficiência. É uma escala particularmente aplicada na comparação de proteínas para a nutrição humana. Quanto maior for o valor biológico, mais aminoácidos e nitrogênio o organismo irá reter. O ovo é considerado a fonte de proteína mais digerível, com porcentagem de aproveitamento pelo corpo humano de 94%. Devido a essa taxa de absorção, ele ganha a graduação 100 e todas as demais proteínas são graduadas comparativamente em sua digestibilidade em relação a proteína do ovo(no caso, a albumina). O soro do leite isolado e hidrolisado é absurdamente mais digerível que a proteína do ovo e possui, em relação a este, taxas de aproveitamento maior que 94%, recebendo, portanto, uma graduação de valor biológico superior a 100. A proteína do soro de leite na forma isolada é considerada a de mais alto valor biológico comparada com outras proteínas. O valor biológico da whey isolada é classificado como 159, sendo acima da proteína do soro do leite concentrada e de qualquer outro tipo de proteína.

A proteína do soro do leite apresenta-se geralmente em três formas: concentrado (WPC), isolado (WPI) e hidrolisado (WPH).
❎Os concentrados apresentam geralmente(mas nem sempre) níveis reduzidos de gordura e colesterol. No entanto, em comparação com as outras formas de proteína do soro do leite, têm maior número de compostos bioativos e carboidratos na forma de lactose. Os concentrados são 29-82% de proteína por volume.
❎Os isolados são processados de modo a remover a gordura ou a lactose.
Os isolados apresentam mais de 90% de proteína por volume.
❎Os hidrolisados são proteínas do soro do leite pré-digeridas através de um processo químico e parcialmente hidrolisadas de modo a facilitar o metabolismo, embora o seu custo de mercado seja superior. A proteína do soro do leite hidrolisada pode ser menos alergênica em relação a outras formas da proteína.

A seguir, citamos algumas das mais recentes descobertas sobre o soro do leite, que a maioria desconhece. 👇
👉 A proteína isolada do soro do leite corrige a supressão imunológica, que freqüentemente ocorre em esportistas vítimas da síndrome de excesso de treinamento (Colker CM, Kalman D, Brink WD, Maharam LG. 1998). 
👉 A whey protein é uma forte aliada para o sistema imunológico, pois ela aumenta drasticamente nossos níveis de glutationa, antioxidante essencial, que protege nossas células, neutralizando as toxinas, tais como: peróxidos, metais pesados, carcinogênicos e muitos outros. 
👉 Aumenta os níveis de serotonina no cérebro que produzem efeitos benéficos em situações cotidianas. 
Inibição de atividade cancerígena: 👇
🚩 Pesquisas mostraram que o crescimento de células de câncer de mama são fortemente inibidos quando expostos até mesmo a baixas concentrações de whey (Baruchel S, Vaiu G. Anti Cancer Research. 1996).

🚩 Em outro estudo clínico, observou-se a regressão de alguns tumores cancerígenos quando os pacientes foram suplementados com 30 gramas diárias de proteína do soro do leite (Kennedy RS, Konok GP, Bounous G, Baruchel S, Lee TD. Anti Cancer Research. 1995).

🚩 Da mesma forma, os animais alimentados com whey e depois submetidos a dimetilhidrazina (DMH), um forte agente cancerígeno, apresentaram respostas imunes muito mais vigorosas do que os animais alimentados com qualquer outro tipo de proteína. Mais importante ainda, é citar que todos os tumores persistentes foram menores e em menor número nos animais alimentados com proteína do soro do leite (Bounous G. Clin. Invest. Med. 1988).

🚩 Em outro estudo a lactoferrina (uma subfração da whey protein) provou inibir carcinogênese de cólon em ratos tratados com outro azoximetano químico carcinogênico. Os efeitos protetores foram demonstrados com quantias realistas e fáceis de serem alcançadas de lactoferrina; A lactoferrina é encontrada em pequenas quantidades no corpo humano e é a primeira linha de defesa do sistema imunológico. Ela se liga ao ferro com tanta força que inibe o crescimento de bactérias ferro-dependentes (Oram J, Reiter B. Biochem. Biophys. Acta. 1968), podendo até bloquear o crescimento de muitas bactérias patogênicas e fungos (Bellamy W, e cols. J. Appl. Bacteriol. 1992). Sua ação antimicrobiana otimiza a ação dos antibióticos (Ellison R.T. Infect. and Immun. 1988).
No aparelho digestivo, a lactoferrina pode ajudar a estimular o crescimento das células intestinais (Hagiwara T, e cols. Biosci. Biotech. Biochem. 1995) e aumentar o crescimento da “boa” microflora intestinal (Petschow B, e cols. Pediat. Res. 1991). Esse poderoso antioxidante tem efeitos positivos como imunomodular e eliminar o ferro, e proteger as células da peroxidação da gordura (Gutteridge, e cols. 1981).

👉 Efeitos na Diabetes:
❎ O Laboratório de Fontes Proteicas da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas (Lafop-Unicamp), em três projetos de pesquisa coordenados por Jaime Amaya Farfan com o apoio da FAPESP: “Os experimentos indicam que a ingestão de proteínas do soro de leite, especialmente de proteínas de soro de leite hidrolisadas [PSLHs], promove a utilização da glicose sanguínea e a síntese de glicogênio nos músculos esquelético e cardíaco. Daí seu efeito anti-hiperglicêmico, de combate ao diabetes ou ao pré-diabetes”, disse Farfan à Agência FAPESP.

❎ A hiperglicemia é caracterizada por níveis elevados de glicose no sangue, da ordem de mais de 100 miligramas por decilitro. “No diabético ou na pessoa que está com hiperglicemia, já a caminho do diabetes, a taxa de glicose no sangue não baixa com o metabolismo, geralmente porque ou falta insulina ou o transportador principal da glicose (GLUT-1) não funciona. “Entretanto, as moléculas de GLUT-4 repousam em vesículas intracelulares. Ativadas, elas migram para a membrana plasmática, tornando-se dispo-níveis para captar a glicose presente no meio circulante e transportá-la para o interior das células”. Essas proteínas hidrolisadas se projetam como possível alternativa para o manejo da hiperglicemia em indivíduos que, por sua condição de saúde, estão impedidos de praticar atividades físicas, o efeito se mostra tanto substitutivo quanto aditivo ao produzido pelo exercício.

❎ Com o uso da técnica de westernblot [método analítico utilizado para detectar proteínas em uma amostra], foi comprovados pelo mesmo pesquisador que as PSLHs(proteína do soro hidrolizadas), ainda mais do que as PSLs(demais proteínas do soro do leite), são capazes de promover os transportadores GLUT-4 do interior das células para as membranas celulares, que são os seus locais de ação. Assim, e cercando os achados com testes de inocuidade quanto à segurança do consumo prolongado das proteínas hidrolisadas, sugerimos que elas podem acionar o transporte da glicose e a sua utilização, da mesma forma que o exercício físico o faz.

Escolha cuidadosamente o seu suplemento de proteína do soro do leite. A isolada é, de longe, o alimento mais seguro, puro e eficaz para saúde e performance. Entretanto, é importante notar que algumas empresas exibem dados bastante enganosos no rótulo e inserem uma quantia mínima da sua forma isolada ou hidrolisada, misturando com outros ingredientes.

Como escolher um bom Whey Protein? 
👉 Os melhores são isolados e hidrolisados;
✋A proteína somente isolada por troca iônica já está ultrapassada; ✋
💣Os melhores são adoçados com xilitol e a opção menos pior é a sucralose; 💣
👉 Cada dose (scoop) deve conter menos de 0,3g de lactose;
👉 O produto isolado sempre contém glutamina. Os bons laboratórios sempre informam no pote a quantidade de glutamina e bcaa por dose;
👍 Um laboratório de “boa fé” especifica no rótulo do produto as microfrações mínimas para que a substância seja de boa qualidade: lactoglobulina 45-55%, alfa lactalbumina 15-25%, imunoglobulina 2-8%, albumina do soro bovino 6-8%, glicomacropeptídeos 20-22%, lactoferrina 0,1-0,5%, fragmentos peptídicos 4-6%.

🙏 Excelentes laboratórios que produzem e exportam a matéria prima:

http://www.glanbianutritionals.com/
http://www.volac.com/

Referências:
NIH Technology Assessment Conference statement on bovine somatotropin. JAMA. 1991 Mar 20;265(11):1423-5.
Daughaday WH, Barbano DM. Bovine somatotropin supplementation of dairy cows. Is the milk safe? JAMA. 1990 Aug 22- 29;264(8):1003-5.
Juskevich JC, Guyer CG. Bovine growth hormone: human food safety evaluation. Science. 1990 Aug 24;249(4971):875-84.

DÚVIDAS?

ENTRE EM CONTATO

Entrar em contato

Av. Comendador Antônio Stocco, 155

 Parque Joaquim Lopes, Catanduva - SP

 

Segunda à Sexta 06:00 - 21:00

Sábado 09:00 - 12:00

Contato

17 3525-2509

17 98136-0006